Jornal dia
Seu jornal de notícias

Nova tabela do seguro-desemprego 2024! Conheça agora e entenda!

0

Com ajustes já em vigor a partir de janeiro deste ano, a nova tabela do seguro-desemprego para 2024 está agora disponível para consulta. O ajuste foi realizado pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), com base no Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC) do ano anterior. Entenda agora o que mudou.

Novos valores na tabela do seguro-desemprego 2024

Nova tabela do seguro-desemprego 2024! Conheça agora e entenda!
Nova tabela do seguro-desemprego 2024! Conheça agora e entenda!

A tabela do seguro-desemprego é atualizada anualmente, com o valor mínimo sendo ajustado para acompanhar o piso salarial do país, garantindo que nenhum pagamento feito pelo governo federal seja inferior a esse valor. Entretanto, o valor máximo a ser recebido surpreendeu parte da população, pois ficou abaixo do esperado.

O piso salarial, que corresponde ao salário mínimo de 2024, considerou o INPC de 2023, além do PIB (Produto Interno Bruto) de 2022 para o reajuste. As demais faixas de valor contaram apenas com o INPC de 3,71% para o cálculo do ajuste.

Leia mais: Idosos serão beneficiados com algo exclusivo em 2024! Confira

Compreenda a nova tabela do seguro-desemprego

Segundo a nova tabela do seguro-desemprego 2024, temos os seguintes cálculos:

  • Salário médio até R$ 2.041,39: o valor a ser recebido será o salário médio multiplicado por 0,8.
  • Salário médio do trabalhador de R$ 2.041,40 até R$ 3.402,65: ao excedente de R$ 2.041,39, multiplica-se 0,5, o resultado obtido será somado a R$ 1.633,10.
  • Salário médio acima de R$ 3.402,65: o valor recebido será inalterado, sendo de R$ 2.313,74.

Importante ressaltar que o salário médio é a soma da remuneração dos últimos três meses antes da dispensa, dividida por três.

Leia mais: ATÉ R$ 4.556 em salário com os novos concursos! Confira

Quem tem direito ao seguro-desemprego?

O seguro-desemprego poderá ser recebido pelos trabalhadores que se enquadram nas seguintes condições:

  • Trabalhadores com carteira assinada e empregado doméstico, dispensados sem justa causa, inclusive em casos de dispensa indireta.
  • Trabalhador formal com contrato de trabalho suspenso para participação em curso ou programa de qualificação profissional, com provisão do empregador.
  • Pescador profissional durante o período do defeso.
  • Trabalhadores resgatados de condições análogas à escravidão.

Entretanto, para fazer jus ao benefício, o trabalhador não pode ter nenhum outro tipo de renda própria e nem estar recebendo algum benefício previdenciário, como o Benefício de Prestação Continuada (BPC).