Jornal dia
Seu jornal de notícias

Alternativa Para Quem Recebe Seguro-Desemprego e Quer Continuar Contribuindo

0

A situação do desemprego no Brasil permanece desafiadora. Segundo o IBGE, cerca de 8,6 milhões de brasileiros encontram-se sem trabalho. No entanto, mesmo afastados do mercado de trabalho, há uma possibilidade pouco explorada que pode beneficiar enormemente quem está nesta condição: a contribuição para o INSS como facultativo. Essa opção assegura a continuação dos direitos previdenciários, como a aposentadoria.

Ser um contribuinte facultativo do INSS pode ser uma estratégia inteligente para quem deseja garantir não apenas a aposentadoria, mas também outros benefícios futuros. Afinal, ao contribuir, mesmo sem estar formalmente empregado, o trabalhador mantém seus direitos previdenciários ativos. Entenderemos como isso é possível e quais são as opções disponíveis.

Saia das DÍVIDAS agora com Até 99% de Desconto no Desenrola Brasil!
Entenda como garantir seus direitos mesmo desempregado. – Divulgação

O que é o contribuinte facultativo?

O contribuinte facultativo do INSS é qualquer pessoa, com idade mínima de 16 anos, que não possui renda fixa proveniente de um emprego formal, mas escolhe contribuir para o sistema de Previdência. Isso inclui desempregados, estudantes, donas de casa, entre outros, que desejam garantir a contagem de tempo para aposentadoria e outros benefícios previdenciários.

Como contribuir para o INSS estando desempregado?

Várias modalidades foram criadas para adaptar-se às diferentes necessidades dos contribuintes. Dentre elas, destacam-se três principais formas de contribuição: a contribuição mensal de 20%, o plano simplificado de 11% e o facultativo de baixa renda. Cada uma destas modalidades atende a diferentes perfis e objetivos de quem contribui.

Modalidades de Contribuição Facultativa

  • Contribuição mensal de 20% (Código 1.406): Esta é destinada àqueles que desejam ter acesso à aposentadoria por tempo de contribuição ou por idade e permite a escolha do valor contribuído entre o salário mínimo e o teto do INSS.
  • Plano simplificado de 11% (Código 1.473): Optar por essa modalidade significa contribuir com 11% sobre o salário mínimo, garantindo o direito à aposentadoria por idade.
  • Facultativo de Baixa Renda (Código 1.929): Com uma contribuição de 5% sobre o salário mínimo, é voltada para indivíduos inscritos no CadÚnico com renda familiar de até dois salários mínimos. Essa opção também garante a aposentadoria, porém com requisitos específicos de idade e tempo de contribuição.

Por que considerar a contribuição como facultativo?

Mesmo desempregado, contribuir para o INSS oferece tranquilidade a longo prazo, garantindo acesso a benefícios como aposentadoria, auxílio-doença e licença-maternidade, além de contabilizar o tempo para esses direitos. Portanto, considerar algum das modalidades de contribuição facultativa pode ser uma escolha sábia para quem pensa no futuro.

Refletir sobre as opções de contribuição disponíveis é essencial para quem está enfrentando o desemprego, mas deseja continuar planejando seu futuro previdenciário. Com informações e escolha consciente, é possível manter os benefícios e direitos do INSS mesmo longe do mercado de trabalho.