Jornal dia
Seu jornal de notícias

Empresas aéreas agora terão auxílio! Haddad divulga o plano sem o uso do tesouro nacional!

0

Na segunda-feira (5) de fevereiro, Fernando Haddad, o Ministro da Fazenda, divulgou os planos do governo de reestruturar as empresas aéreas, sem o auxílio financeiro direto do Tesouro Nacional. Segundo Haddad, o rascunho da proposta de assistência ao setor deverá ser apresentado ainda neste mês.

Haddad e companhias aéreas, qual a relação?

Empresas aéreas agora terão auxílio! Haddad divulga o plano sem o uso do tesouro nacional!
Empresas aéreas agora terão auxílio! Haddad divulga o plano sem o uso do tesouro nacional!

Devido aos impactos da pandemia de Covid-19, as empresas aéreas têm buscado o apoio do governo do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Eles demandam ao menos R$ 3 bilhões em linhas de crédito, alegando que, sem este auxílio, torna-se impossível aderir ao programa Voa Brasil. Este programa tem como meta oferecer passagens aéreas por um valor de R$ 200 para grupos selecionados.

Leia mais: Bolsa família: liberado saque de R$ 540! Confira agora esse bônus!

Possíveis medidas de assistência segundo haddad

As maneiras de auxiliar o setor, de acordo com Haddad, podem envolver a criação de fundos que não impliquem em despesas primárias. Silvio Costa Filho, o Ministro de Portos e Aeroportos, havia anunciado em janeiro que está em discussão um fundo de até R$ 6 bilhões para socorrer as aéreas.

Ele destacou que tanto o ministério da Fazenda quanto o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social) estão contribuindo nestas discussões.

Leia mais: Pagamento com aumento do PIS/PASEP está para começar em janeiro! Confira

O pedido de estabilidade de emprego

Profissionais do setor, como pilotos e comissários de bordo, além da ajuda financeira, solicitam ao governo o comprometimento com a estabilidade de emprego por três anos, iniciando no momento em que as aéreas tiverem acesso aos recursos.

Outra solução sugerida é a flexibilização das condições para negociação de dívidas tributárias e regulatórias com a União e a abertura de uma linha de crédito no BNDES, garantida pelo Fundo Nacional de Aviação Civil em casos de inadimplência das empresas.

Como o preço do combustível influência a situação?

Apesar do custo do querosene de aviação ser apontado pelas aéreas como um dos fatores que influenciam o preço das tarifas, Haddad argumenta que o valor deste combustível está em queda durante o mandato atual.

Esta justificativa, portanto, não pode ser usada para embasar o aumento das passagens aéreas. Enquanto isso, na última semana, a Petrobras declarou que diminuiu aproximadamente 30,3% do preço do combustível no ano anterior.

A situação das companhias aéreas é, sem dúvida, delicada e exigirá medidas estratégicas para sua recuperação. Cabe agora acompanhar as ações que serão tomadas por parte do governo, empresas e profissionais do setor aéreo.